Notícias » Informações

 

Últimas notícias

  • 6/7 14:42 - Idosos e deficientes poderão ficar isentos da taxa de renovação da CNH

    Continuar lendo
  • 6/7 14:40 - Após ter 1º lugar em concurso, mulher com deficiência é declarada inapta

    Continuar lendo
  • 6/7 14:38 - Aplicativo facilita serviço de táxi para pessoas com deficiência

    Continuar lendo
  • 6/7 14:37 - Estudantes criam protótipo de cadeira de rodas capaz de subir escadas

    Continuar lendo
  • 6/7 14:35 - Velhinha surda testa aparelho auditivo, e ajuda a salvar vidas de marinheiros que gritavam por socorro

    Continuar lendo
  • 6/7 14:33 - Minuto da Inclusão: Conheça a Síndrome de Tourette

    Continuar lendo
  • 1/7 8:25 - Metrô adesiva trens em ação por uso correto de vagões exclusivos no DF

    Continuar lendo
  • 1/7 8:23 - Alunos da Ufes denunciam falhas de acessibilidade no prédio de direito

    Continuar lendo
  • 1/7 8:21 - Conferência Municipal dos Direitos da Pessoa com Deficiência aponta propostas que serão encaminhadas para etapa estadual

    Continuar lendo
  • 1/7 8:19 - Rampas ?inúteis? dificultam a vida de cadeirantes de estância turística de SP

    Continuar lendo

Muito ainda para alcançar a acessibilidade universal

Sábado, 19 de Janeiro de 2013 às 0:00

O Timoneiro
18/01/2013

Artigo do site 'O Timoneiro', sobre os problemas gerados pela falta de acessibilidade.

da Redação

Obstáculos e má condições de calçadas são dificuldades frequentemente apontadas por pessoas com deficiência.

A acessibilidade universal ainda não é uma realidade em Canoas. Muitos são os transtornos pelos quais Pessoas com Deficiência (PcDs) passam para a locomoção na cidade. Os problemas citados por muitos indivíduos relacionam-se às calçadas esburacadas e desniveladas, além de obstruções diversas nos espaços públicos. Muitos estabelecimentos comerciais, por exemplo, acabam dispondo produtos e mercadorias nas calçadas, local que deveria ter a passagem livre para não prejudicar o trânsito das pessoas.

A acessibilidade é arregimentada como direito de todos os cidadãos e que deve alcançar toda a sociedade, beneficiando e sendo direito das Pessoas com Deficiência (PcDs). A implantação de medidas simples que facilitam a locomoção e que permitem segurança contempla algo importante a qualquer indivíduo: o direito de ir e vir com autonomia. Um rearranjo na arquitetura de estabelecimentos públicos e na urbanização faz-se necessário, visto que a maioria dos locais ainda não apresenta condições de locomoção universal, o que acaba por gerar maiores dificuldades aos PcDs.

A acessibilidade é condição de alcance para a utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos transportes e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa com deficiência. Entretanto, essas determinações não são presentes na maioria dos locais públicos, culminando em prejuízos e dificuldades à população.

Piso tátil
Um aspecto que merece ênfase é a desinformação de muitos cidadãos acerca da importância dos pisos táteis para deficientes visuais. Os pisos táteis são faixas de alto relevo fixadas no chão para auxiliar na locomoção de pessoas com deficiência visual. Luís Fernando Vieira da Rosa, que é deficiente visual, afirma que muitas vezes as pessoas ficam conversando exatamente na localização do piso tátil, o que pode prejudicar as pessoas que necessitam desse recurso para guiar-se com segurança. “Falta consciência de muitas pessoas em relação aos avanços que existem hoje em dia para auxiliar quem tem algum tipo de deficiência. Todos precisam informar-se sobre isso para que a população como um todo seja beneficiada”, fala Luís.

Estruturas precisam de melhorias
Em Canoas, a condição das calçadas é amplamente exposta pelo jornal O Timoneiro, de forma que a população majoritariamente não se sente segura ao transitar pelas mesmas. “Todas essas irregularidades e buracos nas calçadas são uma grande dificuldade para os deficientes visuais e para cadeirantes, por exemplo. Além disso, é muito comum as lojas colocarem produtos nas calçadas, o que também prejudica as pessoas com deficiência, pois são obstáculos que temos para passar e que muitas vezes causam acidentes”, explica Luís.

Outro problema existente é a falta de acessibilidade em muitos prédios públicos e estabelecimentos comerciais em geral, como lanchonetes e lojas, por exemplo, que não apresentam rampa ou plataforma para locomoção de cadeirantes.

Paradas de ônibus em local adequado, elevador e plataformas nos veículos coletivos são fundamentais para garantir a acessibilidade universal. Desde o momento em que o cidadão sai de sua casa até a parada final do ônibus, há necessidade de uma arquitetura urbana que permita a chegada ao local de destino.

Outro aspecto importante e frequentemente comentado por PCDs é a falta de capacitação de muitos funcionários para a utilização correta dos equipamentos, como elevadores e plataformas, por exemplo. “Falta informação de muitos profissionais e também de muitos cidadãos. As pessoas precisam conhecer os direitos das pessoas com deficiência”, diz Luís Fernando Vieira da Rosa, deficiente visual. Se o veículo já tem a plataforma, a via pública tem de ser também preparada para o veículo operar, caso contrário o veículo pode acabar por parar longe do cordão da parada ou o nível da calçada pode configurar-se como não sendo compatível com o do elevador ou plataforma, por exemplo.

© INTERDEF - Web Rádio e Informativo
BRLOGIC